Dubitando, ad veritatem parvenimus... aliquando! Duvidando, chegamos à verdade... às vezes!
 
Concordância / Harmonia dos quatro Evangelhos (9)

Entrada messiânica de Jesus em Jerusalém

| Mt 21, 1-9 | Mc 11, 1-10 | Lc 19, 29-40 | Jo 12, 12-19 |

(Mt.: jumenta e jumentinho / Mc., Lc. e Jo.: jumentinho)

E aconteceu que, no dia seguinte, quando se aproximaram (quando se aproximam, quando se aproximava) de Jerusalém, e vieram a Betfagé e a Betânia, junto do monte chamado das Oliveiras, então Jesus enviou (envia) dois dos seus discípulos (dois discípulos); e diz, dizendo-lhes: «Ide (dirigi-vos) à aldeia que está diante de vós; e logo (imediatamente) que lá entrardes (nela), encontrareis uma jumenta presa e um jumentinho preso com ela, sobre o qual nunca montou ainda nenhum dos homens; desprendei-o e, tendo-o desprendido, trazei-me. E se alguém vos disser 'Porque fazeis isto?', vos perguntar 'Porque o soltais?', assim direis (dizei): 'Porque o Senhor precisa dele, e logo o restituirá, novamente, para aqui'. ('Porque o Senhor precisa deles, mas logo os restituirá'.)»

(Isto aconteceu, porém, para que se cumprisse o que foi dito pelo profeta, dizendo: «Dizei à filha de Sião: 'Eis que o teu Rei vem a ti, manso e montado sobre uma jumenta e sobre um jumentinho filho, de carga!'»)

E foram e, tendo ido, porém, os que tinham sido enviados, encontraram o jumentinho preso diante duma porta, de fora, entre dois caminhos, como lhes dissera, e soltam-no.

Soltando, porém, eles o jumentinho, os donos dele disseram para eles: «Porque soltais o jumentinho?» E alguns dos que ali estavam diziam-lhes: «Que fazeis, soltando o jumentinho?» Eles, porém, disseram-lhes: «Porque o Senhor precisa dele», como Jesus tinha dito; e deixaram-nos.

Tendo ido, porém, os discípulos e tendo feito como Jesus lhes ordenara, trouxeram a jumenta e o jumentinho, e colocaram sobre eles os mantos. E trazem o jumentinho (trouxeram-no) a Jesus, e colocam sobre ele os seus mantos e, lançando os seus mantos sobre o jumentinho, colocaram Jesus em cima; e sentou-se sobre ele (sentou-se em cima deles).

Uma grande multidão que tinha vindo à festa, ouvindo dizer que Jesus vinha a Jerusalém, tomaram ramos de palmeiras e saíram-lhe ao encontro. E indo ele, porém, muitos (muitas multidões, porém) estenderam (estendiam) os seus mantos no caminho; outros, porém, cortavam ramos de árvores, e estendiam-nos no caminho; outros, porém, [estendiam] verduras, que tinham cortado nos campos.

Aproximando-se, porém, ele já da descida do Monte das Oliveiras, toda a multidão dos discípulos, regozijando-se, começou a louvar a Deus em alta voz, por todos os milagres que tinha visto. E as multidões, porém, que o precediam e as que o seguiam, clamavam, dizendo: «Hossana ao Filho de David! Bendito o que vem, o Rei, em nome do Senhor, {e} Rei de Israel! Bendito o reino que vem do nosso pai David! Hossana nas alturas! Paz no Céu e glória nas alturas!»

Encontrando, porém, Jesus um jumentinho, sentou-se sobre ele, como está escrito: «Não temas, filha de Sião. Eis que o teu Rei vem sentado sobre um jumentinho de uma jumenta!» Os seus discípulos, ao princípio, não entenderam isto; mas quando Jesus foi glorificado, então eles recordaram-se que estas coisas estavam escritas a respeito dele, e que lhe fizeram isto.

Dava testemunho, pois, a multidão que estava com ele quando chamou Lázaro do túmulo e o ressuscitou dos mortos. Por isso, {também} a multidão lhe veio ao encontro: porque ouviram que ele fez este sinal.

E alguns dos Fariseus, dentre a multidão, disseram para ele: «Mestre, repreende os teus discípulos!» E, respondendo, disse: «Digo-vos: se estes se calarem, as pedras clamarão».

Os Fariseus disseram, pois, entre si: «Vedes que nada aproveitais? Eis que o mundo vai atrás dele!...»

Entrada na cidade de Jerusalém

| Mt 21, 10-11 | Mc 11, 11 | Lc 19, 41-44 |

E quando se aproximou, vendo a cidade, chorou sobre ela, dizendo que «Se conhecesses, também tu, neste dia, as coisas para a paz! Mas agora estão escondidas dos teus olhos... Porque virão dias sobre ti em que os teus inimigos te cercarão de trincheiras, e te sitiarão, e te apertarão de todos os lados, e te derrubarão a ti e aos teus filhos que estão em ti; e não deixarão em ti pedra sobre pedra, porque não conheceste o tempo da tua visita!»

E entrando ele em Jerusalém, agitou-se toda a cidade, dizendo: «Quem é este?» As multidões, porém, diziam: «Este é o profeta Jesus, de Nazaré da Galileia!»

E entrou em Jerusalém, no templo. E tendo observado tudo em redor, como já fosse tarde, saiu para Betânia com os Doze.

Maldição da figueira

| Mt 21, 18-19 | Mc 11, 12-14 |

E no outro dia, de manhã, porém, ao saírem de Betânia, voltando para a cidade, teve fome.

E vendo uma figueira, à beira do caminho, ao longe, tendo folhas, foi até ela, [ver] se porventura encontraria alguma coisa nela; e vindo até ela, nada encontrou nela senão só folhas, porque não era tempo de figos.

E, respondendo, disse (diz)-lhe: «Nunca de ti nasça fruto, para sempre! Nunca, para sempre, alguém coma fruto de ti!» E os seus discípulos ouviam.

E a figueira secou imediatamente.

Segunda expulsão dos vendilhões do templo

| Mt (21, 12-17) | Mc 11, 15-19 | Lc 19, 45-48 |

E vêm a Jerusalém.

E entrou Jesus no templo e, tendo entrado no templo, começou a expulsar (e expulsava) todos os que vendiam e compravam no templo; e derrubou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas; e não permitia que alguém transportasse algum objeto pelo templo.

E ensinava e dizia (diz), dizendo-lhes: «Não está escrito que 'a minha casa será chamada casa de oração para todas as nações? (E a minha casa será casa de oração.)' Vós, porém, fizestes (fazeis) dela um covil de ladrões!»

E aproximaram-se dele, no templo, cegos e coxos, e ele curou-os.

Vendo, porém, os sumos sacerdotes e os Escribas as maravilhas que ele fizera, e os meninos clamando no templo e dizendo: «Hossana ao Filho de David!», indignaram-se e disseram-lhe: «Ouves o que estes dizem?» Jesus, porém, diz-lhes: «Sim. Nunca lestes que 'da boca de pequeninos e de meninos de leite tiraste o perfeito louvor'?»

E todos os dias ensinava no templo. E ouviram, porém, os sumos sacerdotes e os Escribas, e procuravam matá-lo (como o matariam), e os chefes do povo; e não encontravam meio de o fazer, pois temiam-no: pois todo o povo estava suspenso, ouvindo-o; pois toda a multidão se admirava com a doutrina dele.

E, sendo já tarde, partiam para fora da cidade. E, deixando-os, saiu para fora da cidade, para Betânia, e permaneceu ali.

O poder da fé, a propósito da figueira seca

| Mt 21, 20-22 | Mc 11, 20-26 |

E quando passavam, de manhã, viram a figueira seca até às raízes. E Pedro, lembrando-se, diz-lhe: «Rabbi, eis que a figueira que amaldiçoaste secou!» E os discípulos, vendo, admiraram-se, dizendo: «Como a figueira secou imediatamente!»

E respondendo, porém, Jesus disse (diz)-lhes: «Tende fé em Deus! Amém, digo-vos que, se tiverdes fé e não hesitardes, não só fareis como à figueira, mas se qualquer um disser e se a este monte disserdes: 'Ergue-te e lança-te no mar'; e não hesitar no seu coração, mas acreditar que se fará aquilo que diz, acontecerá: ser-lhe-á feito.

E por isso vos digo: Todas as coisas que orais e pedis (pedirdes) na oração, acreditando, recebereis: acreditai que recebestes e serão para vós.

E quando estiverdes de pé, orando, perdoai, se tendes alguma coisa contra alguém, para que também o vosso Pai que está no Céu vos perdoe as vossas ofensas.»

Questão sobre a autoridade de Jesus

| Mt 21, 23-27 | Mc 11, 27-33; 12, 1a | Lc 20, 1-8 |

E aconteceu que, num dos dias, vêm novamente a Jerusalém.

E tendo vindo ele ao templo, e andando ele no templo, ensinando ele o povo no templo e evangelizando, aproximaram-se dele, ao ensinar, vêm até junto dele (sobrevieram) os sumos sacerdotes e os escribas e os anciãos do povo (com os anciãos); e disseram, dizendo para ele (diziam-lhe): «Diz-nos: Com que autoridade fazes estas coisas? (E) ou quem te deu (quem é o que te deu) esta autoridade para as fazeres?»

Respondendo, porém, Jesus disse-lhes (para eles): «Perguntar-vos-ei, também eu, uma palavra, e respondei-me. Se me disserdes, também eu vos direi com que autoridade faço estas coisas. E dizei-me: O batismo de João donde era? Era do Céu ou dos homens? Respondei-me».

E eles, porém, raciocinavam consigo (calculavam entre eles), dizendo que «Se dissermos: 'Do Céu', dir-nos-á: 'Então porque não acreditastes nele?' Mas se dissermos: 'Dos homens', tememos a multidão: todo o povo nos apedrejará, porque todos têm João como profeta, pois estão convencidos de que João é profeta...» (Temiam a multidão, pois todos tinham que João era verdadeiramente profeta.)

E, respondendo a Jesus, disseram (dizem): «Não sabemos» (responderam que não sabiam donde era).

E Jesus disse (diz, afirmou)-lhes, também ele: «Nem eu vos digo com que autoridade faço estas coisas!»

E começou a falar-lhes em parábolas.

Parábola dos dois filhos

| Mt 21, 28-32 |

«Mas que vos parece?

Um homem tinha dois filhos. E, aproximando-se do primeiro, disse: 'Filho, vai hoje trabalhar na vinha'. Ele, porém, respondendo, disse: 'Não quero'; mas depois, movido de arrependimento, foi.

Aproximando-se, porém, do segundo, disse igualmente; mas ele, respondendo, disse: 'Vou, senhor'; e não foi.

Qual dos dois fez a vontade do pai?» Dizem: «O primeiro...»

Diz-lhes Jesus: «Amém, digo-vos que os Publicanos e as meretrizes vos precederão no Reino de Deus!

Pois João veio a vós no caminho da justiça, e não acreditastes nele, mas os Publicanos e as meretrizes acreditaram nele. Vós, porém, vendo, nem depois vos arrependestes para acreditardes nele».

Parábola dos vinhateiros homicidas

| Mt 21, 33-46 | Mc 12, 1b-12 | Lc 20, 9-19 |

Começou, porém, a dizer ao povo esta parábola: «Ouvi outra parábola:

Havia {um certo} homem, dono da casa, que plantou uma vinha, cercou-a com uma sebe, cavou nela um lagar (uma cuba) e edificou uma torre; e arrendou-a a uns lavradores e ausentou-se por longos tempos.

Chegando, porém, o tempo dos frutos, enviou os seus servos aos lavradores, para receber os frutos dele. E os lavradores, apoderando-se dos servos dele, a um feriram, a outro mataram; a outro, porém, apedrejaram.

E enviou um servo aos lavradores, no tempo, para que lhe dessem do fruto da vinha: para que dos lavradores recebesse dos frutos da vinha. E os lavradores, porém, apoderando-se dele, espancaram-no; e, tendo-o ferido, mandaram-no embora vazio.

E tornou a enviar outro servo (enviou, novamente, até eles outro servo). Mas eles espancaram-no na cabeça e afrontaram-no; tendo ferido e afrontado, mandaram-no embora vazio.

E tornou a enviar um terceiro (enviou outro). Mas eles, ferindo-o, expulsaram-no, e mataram-no.

E, novamente, enviou muitos outros servos, mais numerosos que os primeiros, e fizeram-lhes do mesmo modo: espancando uns; a outros, porém, matando-os.

Tinha ainda um filho muito amado. Disse, porém, o dono da vinha: 'Que farei? Enviarei o meu filho muito amado; talvez o respeitarão'. Por último, porém, enviou (-o finalmente) até eles o seu filho, dizendo que 'Respeitarão o meu filho!'

Aqueles lavradores, porém, vendo o filho, (vendo-o, porém, os lavradores) raciocinaram entre si [e] disseram uns aos outros, dizendo que 'Este é o herdeiro! Vinde, matemo-lo, para que a herança seja nossa, e teremos a sua herança (e a herança será nossa)!'

E, tendo-o agarrado, lançaram-no fora da vinha e, tendo-o lançado fora da vinha, mataram-no (/ e lançaram-no fora da vinha).

Quando, pois, vier o dono da vinha, que fará àqueles lavradores? Que lhes fará, pois, o dono da vinha?»

Dizem-lhe: «Fará perecer miseravelmente esses maus, e arrendará a vinha a outros lavradores, que lhe entreguem o fruto nos seus tempos».

Diz-lhes Jesus: «Virá e destruirá esses lavradores, e dará a vinha a outros!...»

Ouvindo, porém, disseram: «Tal não aconteça!»

Ele, porém, olhando-os, disse: «Nunca lestes nas Escrituras (nem lestes esta Escritura) o que é, pois, isto que está escrito: 'A pedra que os edificadores rejeitaram, esta tornou-se cabeça de ângulo; isso foi feito pelo Senhor e é admirável aos nossos olhos'?

— Portanto, eu digo-vos que vos será tirado o Reino de Deus e será dado a um povo fazendo os seus frutos. —

{E} todo o que cair sobre essa ({esta}) pedra será despedaçado; mas aquele sobre quem ela cair será esmagado».

E os sumos sacerdotes e os Fariseus, ouvindo as parábolas dele, compreenderam que falava deles. E procuravam os Escribas e os sumos sacerdotes deitar-lhe as mãos naquela hora e procuravam prendê-lo. E procurando prendê-lo, temeram as multidões (a multidão, o povo), porque o tinham como um profeta: pois compreenderam que dissera esta parábola para eles.

E deixando-o, retiraram-se.

Parábola do festim nupcial

| Mt 22, 1-14 |

E, respondendo, Jesus falou-lhes novamente em parábolas, dizendo:

«O Reino dos Céus é semelhante a um homem rei que fez as núpcias ao seu filho.

E enviou os seus servos chamar os convidados para as bodas, e eles não queriam vir.

Enviou, novamente, outros servos, dizendo: 'Dizei aos convidados: Eis que preparei o meu banquete; os meus touros e cevados foram mortos, e tudo está preparado; vinde às núpcias'.

Eles, porém, negligenciando, foram, um para o seu campo, outro para o seu negócio; os restantes, porém, apoderando-se dos servos dele, ultrajaram-nos e mataram-nos.

Mas o rei irritou-se e, enviando os seus exércitos, destruiu aqueles homicidas e incendiou a cidade deles.

Então diz aos seus servos: 'A núpcia, na verdade, está preparada, mas os convidados não foram dignos. Ide, pois, às encruzilhadas dos caminhos, e a quantos encontrardes, chamai-os para as núpcias'.

E saindo aqueles servos pelos caminhos, juntaram todos quantos encontraram, maus e bons, e a sala nupcial encheu-se de convivas.

Mas, entrando o rei, para ver os convivas, viu ali um homem não vestido com a roupa nupcial; e diz-lhe: 'Amigo, como entraste aqui, não tendo a roupa nupcial?' Ele, porém, emudeceu. Então o rei disse aos servos: 'Amarrando-lhe pés e mãos, lançai-o nas trevas exteriores: aí haverá choro e ranger de dentes'.

Porque muitos são os chamados, mas poucos os escolhidos».

Imposto a César

| Mt 22, 15-22 | Mc 12, 13-17 | Lc 20, 20-26 |

Então os Fariseus, retirando-se, fizeram uma reunião para o apanharem em alguma palavra.

E, observando, enviaram (enviam)-lhe (até ele) alguns discípulos seus, dos Fariseus e dos Herodianos (com os Herodianos), espiões que se fingissem justos, para apanharem da palavra dele, para o caçarem em alguma palavra, e assim o entregarem à jurisdição e à autoridade do governador.

E tendo vindo, interrogaram-no. Dizem-lhe, dizendo: «Mestre, sabemos que és verdadeiro, que falas e ensinas com retidão e ensinas o caminho de Deus com verdade, e não te importas com ninguém; pois não olhas e não aceitas a aparência dos homens, mas ensinas o caminho de Deus com verdade. Diz-nos, pois, o que te parece: É-nos lícito dar imposto (tributo) a César ou não? Daremos ou não daremos?»

Percebendo, porém, Jesus a malícia deles, conhecendo a hipocrisia deles, considerando a astúcia deles, disse-lhes (para eles): «Porque me tentais, hipócritas? Mostrai-me um denário. Fazei-me ver a moeda do imposto. Trazei-me um denário, para eu ver!» Apresentaram-lhe, porém, um denário.

E [Jesus] diz-lhes: «De quem é esta imagem e a inscrição? (De quem tem imagem e inscrição?)» Eles, porém, disseram (dizem)-lhe: «De César...»

Então Jesus, porém, disse (diz)-lhes (para eles): «Por isso, entregai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus!»

E tendo ouvido, admiraram-se (admiravam-se) com ele; e não puderam surpreendê-lo em palavra alguma perante o povo. E admirados com a resposta dele, calaram-se e, tendo-o deixado, retiraram-se.

Discussão com os Saduceus sobre a ressurreição dos mortos

| Mt 22, 23-33 | Mc 12, 18-27 | Lc 20, 27-39 |

Naquele dia, aproximaram-se dele e vêm até junto dele Saduceus, os que dizem não existir ressurreição (dizendo não existir ressurreição). E, tendo-se aproximado, porém, alguns dos Saduceus (os que negam existir ressurreição), interrogaram (interrogavam)-no, dizendo: «Mestre, Moisés escreveu-nos que se o irmão de alguém morrer, tendo mulher e for sem filhos, e deixar mulher e não deixar filho, o irmão dele case com a mulher dele e suscite descendência ao seu irmão. Moisés disse que se alguém morrer, não tendo filhos, o irmão dele case com a mulher dele e suscitará descendência ao seu irmão.

Havia, pois, sete irmãos, porém, entre nós. E o primeiro tomou mulher e, tendo tomado mulher (tendo-se casado), morreu (faleceu) sem filhos; e tendo morrido, não deixou descendência; e não tendo descendência, deixou a sua mulher ao seu irmão. Igualmente, também o segundo tomou-a e morreu, não deixando descendência. E o terceiro, igualmente, tomou-a, até ao sétimo. Igualmente, porém, também os sete não deixaram descendência, não deixaram filhos e morreram.

Por fim, porém, depois de todos, morreu também a mulher.

A mulher, pois, na ressurreição, {quando ressuscitarem,} de qual daqueles sete será (se tornará) esposa? Pois todos os sete a tiveram por esposa!»

E respondendo, porém, Jesus disse (afirmou)-lhes: «Não errais por isso, não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus?

Os filhos deste século casam-se e dão-se em casamento. Mas os que forem julgados dignos de alcançar aquele século e a ressurreição dos mortos, na ressurreição, pois, quando ressuscitarem, pois, dos mortos, nem se casam nem se dão em casamento, porque não podem mais morrer; mas são como anjos nos Céus (no Céu): são semelhantes a anjos e são filhos de Deus, sendo filhos da ressurreição.

Da ressurreição dos mortos, porém, que ressuscitam, não lestes o que vos foi dito por Deus, no livro de Moisés, sobre a sarça, como lhe disse Deus, dizendo: 'Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacob'? Que os mortos ressuscitam, porém, também Moisés mostra, sobre a sarça, como diz: 'Senhor, o Deus de Abraão e Deus de Isaac e Deus de Jacob'!...

Deus, porém, não é o Deus de mortos, mas de vivos; pois para ele todos vivem. Muito errais!»

Respondendo, porém, alguns dos Escribas disseram: «Mestre, disseste bem!»

E as multidões, ouvindo, maravilhavam-se da sua doutrina.

O maior e primeiro mandamento

| Mt 22, 34-40 | Mc 12, 28-34 | Lc 20, 40 |

Os Fariseus, porém, ouvindo dizer que ele impusera silêncio aos Saduceus, reuniram-se num mesmo lugar.

E aproximando-se, um dos Escribas que os ouvira discutir, vendo que lhes tinha respondido bem, interrogou-o (um deles, {doutor da lei}), experimentando-o: «Mestre, qual é o grande mandamento na Lei? Qual é o primeiro de todos os mandamentos?»

Respondeu Jesus (que lhe afirmou, porém) que «O primeiro é: 'Ouve, Israel: o Senhor nosso Deus é o único Senhor'; e 'Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração (com todo o teu coração), de toda a tua alma (com toda a tua alma), de todo o teu entendimento (com todo o teu entendimento) e de toda a tua força.' Este é o grande e o primeiro mandamento.

O segundo, porém, é semelhante a este: 'Amarás o teu próximo como a ti mesmo.'

Não há outro mandamento maior do que estes. Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas».

E disse-lhe o escriba: «Mestre; disseste bem e com verdade que é único, e não há outro além dele; e que amá-lo de todo o coração, de todo o entendimento e de toda a força, e amar o próximo como a si mesmo, é mais do que todos os holocaustos e sacrifícios».

E Jesus, vendo {-o} que tinha respondido sabiamente, disse-lhe: «Não estás longe do Reino de Deus».

E ninguém ousava mais interrogá-lo. Não ousavam, pois, perguntar-lhe mais coisa alguma.

Cristo, Senhor e Filho de David

| Mt 22, 41-46 | Mc 12, 35-37 | Lc 20, 41-44 |

Tendo-se reunido, porém, os Fariseus, interrogou-os Jesus, dizendo: «Que vos parece acerca de Cristo? De quem é filho?» Dizem-lhe: «De David...»

E respondendo, Jesus disse (dizia, diz)-lhes, porém, (para eles,) ensinando no templo: «Como dizem os Escribas que o Cristo é filho de David (ser o Cristo filho de David)? Como, pois, David, no Espírito, o chama Senhor? Pois o próprio David disse (diz) pelo Espírito Santo, no livro dos Salmos, dizendo: 'Disse o Senhor ao meu Senhor: Senta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos como escabelo debaixo dos teus pés'. Se, pois, o próprio David o chama (diz) Senhor, como (e donde) é ele seu filho?»

E ninguém podia responder-lhe palavra; nem ousou mais alguém interrogá-lo desde aquele dia. E a grande multidão ouvia-o com prazer.

Contra os Escribas e os Fariseus

| Mt 23, 1-12 | Mc 12, 38-40 | Lc 20, 45-47 |

Ouvindo, porém, todo o povo, então falou Jesus às multidões e aos seus discípulos. Disse aos {seus} discípulos e dizia na sua doutrina, dizendo:

«Na cadeira de Moisés sentaram-se os Escribas e os Fariseus. Portanto, fazei e observai tudo o que vos disserem; mas não façais conforme as suas obras; porque dizem e não fazem.

Ligam, porém, fardos pesados {e insuportáveis}, e põem-nos aos ombros dos homens; mas eles nem com um dedo seu querem movê-los. Eles fazem todas as suas obras para serem vistos pelos homens; pois alargam as suas filactérias e aumentam as franjas.

Guardai-vos (acautelai-vos) dos Escribas, querendo eles andar com roupas compridas, e sendo amantes (amam, porém) das saudações nas praças, dos primeiros assentos nas sinagogas e dos primeiros lugares (do primeiro lugar) nas ceias e de serem chamados pelos homens 'Rabbi'; devoradores que devoram as casas das viúvas, e simulam longas orações, orando. Estes receberão maior julgamento.

Vós, porém, não queirais ser chamados 'Rabbi'; porque um só é o vosso Mestre, mas todos vós sois irmãos. E a ninguém sobre a terra chameis vosso pai; porque um só é o vosso Pai: o celeste. Nem sejais chamados guias; porque um só é o vosso Guia: Cristo. Mas o maior dentre vós será o vosso servo.

Quem, porém, se exaltar, será humilhado; e quem se humilhar, será exaltado».

Maldições aos Escribas e aos Fariseus

| Mt 23, 13-36 |

«Mas ai de vós, Escribas e Fariseus, hipócritas, porque fechais o Reino dos Céus, perante os homens: vós, pois, não entrais, nem aos que entram deixais entrar!

Ai de vós, Escribas e Fariseus, hipócritas, porque percorreis o mar e a terra para fazer um prosélito; e, depois de o terdes feito, tornai-lo duas vezes mais filho da Geena do que vós!

Ai de vós, guias cegos, que dizeis: 'Qualquer um que jurar pelo templo, não é nada; mas qualquer um que jurar pelo ouro do templo, deve'. Insensatos e cegos! Pois, qual é maior: o ouro, ou o templo que santifica o ouro? E 'Qualquer um que jurar pelo altar, não é nada; mas qualquer um que jurar pela oferta que está sobre ele, deve'. Cegos! Pois, qual é maior: a oferta, ou o altar que santifica a oferta? Portanto, quem jurar pelo altar jura por ele e por tudo o que está sobre ele; e quem jurar pelo templo jura por ele e por aquele que nele habita; e quem jurar pelo Céu jura pelo trono de Deus e por aquele que está sentado nele.

Ai de vós, Escribas e Fariseus, hipócritas, porque dais o dízimo da hortelã, do funcho e do cominho, e deixastes as coisas mais graves da Lei: a justiça, a misericórdia e a fé! Era {porém} necessário fazer estas coisas, e não omitir aquelas! Guias cegos, coais um mosquito, mas engolis um camelo!...

Ai de vós, Escribas e Fariseus, hipócritas, porque limpais o exterior do copo e do prato, mas por dentro estão cheios de rapina e de intemperança! Fariseu cego, limpa primeiro o interior do copo, para que também o exterior se torne limpo!

Ai de vós, Escribas e Fariseus, hipócritas, porque sois semelhantes a sepulcros caiados, que por fora, pois, parecem formosos, mas por dentro estão cheios de ossos de mortos e de toda a imundice. Assim, também vós, pois, exteriormente pareceis justos aos homens, mas por dentro estais cheios de hipocrisia e de iniquidade!

Ai de vós, Escribas e Fariseus, hipócritas, porque edificais os sepulcros dos Profetas e adornais os monumentos dos justos, e dizeis: 'Se existíssemos nos dias dos nossos pais, não teríamos sido companheiros deles no sangue dos Profetas'. Assim, vós testemunhais contra vós mesmos que sois filhos dos que mataram os Profetas. E vós encheis a medida dos vossos pais!

Serpentes, raça de víboras, como fugireis da condenação da Geena?

Por isso, eis que eu vos envio profetas, sábios e escribas: e a uns deles matareis e crucificareis; e a uns deles flagelareis nas vossas sinagogas e perseguireis de cidade em cidade; para que venha sobre vós todo o sangue justo, que foi derramado sobre a terra, desde o sangue do justo Abel, até ao sangue de Zacarias, filho de Baraquias, que matastes entre o templo e o altar. Amém, digo-vos: Virão todas estas coisas sobre esta geração!»

Apóstrofes a Jerusalém

| Mt 23, 37-39 |

«Jerusalém, Jerusalém, que matas os Profetas e apedrejas os que a ti são enviados, quantas vezes eu quis juntar os teus filhos, como a galinha junta os seus pintainhos debaixo das asas, e não quiseste!

Eis que vos é deixada a vossa casa deserta.

Pois eu digo-vos: Não me vereis desde agora, até que digais: 'Bendito o que vem em nome do Senhor!'»

O óbolo da viúva pobre

| Mc 12, 41-44 | Lc 21, 1-4 |

E sentando-se diante do Tesouro, olhando, porém, observava como a multidão lançava moedas no Tesouro. Viu os ricos que deitavam as suas ofertas no Tesouro, e muitos ricos lançavam muito.

E, tendo vindo, uma viúva pobre lançou dois leptes, que é um quadrante.

[Jesus] viu, porém, certa viúva indigente lançando ali dois leptes; e chamando os seus discípulos, disse-lhes: «Amém (verdadeiramente), digo-vos que esta viúva pobre deitou mais do que todos os que deitaram no Tesouro; porque todos estes lançaram nas ofertas daquilo que lhes sobrava; mas esta, da sua penúria (indigência), deitou todas as coisas que tinha (todo o sustento que tinha), todo o seu sustento!»

Discurso escatológico, no Monte das Oliveiras

Anúncio da destruição do templo

| Mt 24, 1-3 | Mc 13, 1-4 | Lc 21, 5-7 |

E Jesus, tendo saído do templo, ia. E aproximaram-se os seus discípulos, para lhe mostrarem os edifícios do templo.

E dizendo alguns acerca do templo, que estava ornado de belas pedras e de ofertas, saindo ele do templo, diz-lhe um dos seus discípulos: «Mestre, olha que pedras e que estruturas!»

E Jesus, porém, respondendo, disse-lhe: «Vês estes grandes edifícios?» — Disse-lhes: — «Não vedes tudo isto? Amém, digo-vos: Isto que vedes, virão dias em que não se deixará aqui pedra sobre pedra que não seja destruída!»

E sentando-se, porém, ele sobre o Monte das Oliveiras, diante do templo, aproximaram-se dele os discípulos em particular; [e] interrogaram (interrogavam)-no, porém, em particular Pedro e Tiago e João e André, dizendo: «Mestre, diz-nos: Quando serão, pois, estas coisas; e qual o sinal, quando estas coisas estiverem para acontecer, para se consumarem todas? E qual o sinal da tua vinda e da consumação do século?»

Anúncio das seduções e dos flagelos

| Mt 24, 4-8 | Mc 13, 5-8 | Lc 21, 8-11 |

E respondendo, porém, Jesus disse-lhes (começou a dizer-lhes): «Olhai, que ninguém vos seduza (não sejais seduzidos)! Porque muitos virão em meu nome, dizendo que 'Eu sou o Cristo' e 'O tempo está próximo', e a muitos seduzirão. Não vades após eles.

Ouvireis, porém, falar em guerras e rumores de guerras. Quando, porém, ouvirdes falar em guerras e rumores de guerras e sedições, olhai: não vos perturbeis (não vos assusteis), pois é necessário que primeiro aconteçam estas coisas, mas ainda não é logo o fim».

Então dizia-lhes: «Levantar-se-á, pois, nação contra nação e reino contra reino; e haverá grandes terramotos e, em vários lugares, haverá fomes; e haverá pestes e coisas espantosas e, do céu, haverá grandes sinais.

Mas todas estas coisas são o princípio das dores!»

Anúncio das perseguições aos discípulos

| Mt 24, 9-14 | Mc 13, 9-13 | Lc 21, 12-19 |

«Olhai, porém, por vós mesmos:

Antes de tudo isto, porém, lançarão sobre vós as mãos deles e perseguirão, entregando às sinagogas e às prisões, sendo vós entregues a reis e a governadores, por causa do meu nome. Entregar-vos-ão aos tribunais, e nas sinagogas sereis flagelados; e estareis perante governadores e reis, por causa de mim. Acontecer-vos-á em testemunho para eles.

E é necessário que, primeiro, o Evangelho seja pregado entre todas as nações.

E quando vos conduzirem, entregando-vos, não premediteis o que direis; mas, o que vos for dado naquela hora, isso falai; porque não sois vós que falais, mas o Espírito Santo. Ponde, pois, nos vossos corações não premeditar como respondereis, porque eu dar-vos-ei boca e sabedoria a que todos os vossos adversários não poderão resistir ou contradizer.

Então entregar-vos-ão à tribulação e matar-vos-ão: Sereis entregues, porém, até pelos pais e irmãos e parentes e amigos, e matarão alguns de vós; e um irmão entregará à morte o irmão, e um pai o filho; e filhos se levantarão contra os pais e matá-los-ão; e sereis odiados por todas as nações por causa do meu nome. E então, muitos se escandalizarão e se trairão uns aos outros e se odiarão uns aos outros.

E muitos falsos profetas surgirão e seduzirão a muitos. E por abundar a iniquidade, o amor de muitos esfriará. Mas quem perseverar até ao fim, esse será salvo. E não se perderá um único cabelo da vossa cabeça. Na vossa paciência, possuireis as vossas almas.

E será pregado este Evangelho do Reino em toda a [terra] habitada, em testemunho a todas as nações, e então virá a consumação».

Anúncio da destruição de Jerusalém

| Mt 24, 15-22 | Mc 13, 14-20 | Lc 21, 20-24 |

«Quando, porém, virdes Jerusalém cercada de exércitos, então sabei que está próxima a sua desolação.

Quando, porém, virdes, pois, a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, estando no Lugar Santo, onde não deve estar (o leitor entenda), então, os que estiverem na Judeia fujam para os montes; os que estiverem no meio dela, retirem-se; e os que estiverem nas regiões, não entrem nela; o que {porém} estiver sobre o teto, não desça nem entre para tomar as coisas (alguma coisa) da sua casa; e quem estiver no campo, não volte atrás para tomar o seu manto. Porque estes são dias de vingança, para que se cumpram todas as coisas que foram escritas.

Mas ai das que estiverem grávidas e das que amamentarem naqueles dias!

Porque haverá grande angústia sobre a terra e ira contra este povo; e cairão ao fio da espada, e serão levados cativos para todas as nações; e Jerusalém será calcada pelas nações, até que os tempos das nações se completem.

Orai, porém, para que a vossa fuga não suceda no inverno nem no sábado: pois então será uma grande tribulação, pois serão aqueles dias uma tribulação tal como não houve semelhante desde o princípio da criação do mundo, que Deus criou, até agora, nem haverá!

E se o Senhor não abreviasse os dias, e se não fossem abreviados aqueles dias, nenhuma carne seria salva. Mas, por causa dos eleitos que escolheu, abreviou os dias: serão abreviados aqueles dias».

Anúncio do aparecimento de falsos cristos e de falsos profetas

| Mt 24, 23-25 | Mc 13, 21-23 |

«E então, se alguém vos disser: 'Eis aqui o Cristo', ou 'Ei-lo ali (aqui)', não acrediteis (não acreditareis). Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e darão grandes sinais e prodígios; para seduzir, para enganar, se possível, até os eleitos.

Mas vós olhai: eis que eu vos predisse tudo».

A vinda do Filho do Homem será como um relâmpago

| Mt 24, 26-28 |

«Portanto, se vos disserem: 'Eis que está no deserto'; não saiais; ou: 'Eis que está em [lugares] retirados'; não acrediteis. Porque, assim como o relâmpago sai do Oriente e se mostra até ao Ocidente, assim será a vinda do Filho do Homem.

Pois onde estiver o cadáver, aí se juntarão as águias [= os abutres]».

Anúncio dos sinais que acompanharão a vinda do Filho do Homem

| Mt 24, 29-31 | Mc 13, 24-27 | Lc 21, 25-28 |

«Mas naqueles dias, e logo, porém, depois daquela tribulação daqueles dias, haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas; e sobre a terra angústia das nações pela confusão do bramido do mar e das ondas, desfalecendo os homens pelo terror e pela expectação das coisas que sobrevirão na [terra] habitada: o sol escurecerá e a lua não dará a sua claridade, e as estrelas cairão do céu (estarão a cair do céu), e as forças dos céus, pois, (que estão nos céus) serão abaladas.

E então aparecerá o sinal do Filho do Homem no céu, e então todas as tribos da terra baterão no peito, e verão o Filho do Homem vindo em nuvens (numa nuvem), sobre as nuvens do céu, com grande poder e grande glória.

E então ele enviará os seus anjos com uma grande trombeta, e juntarão (juntará) os seus eleitos, dos quatro ventos, das extremidades dos céus às extremidades deles, da extremidade da terra até à extremidade do céu.

Quando estas coisas, porém, começarem a acontecer, erguei-vos e levantai as vossas cabeças, porque se aproxima a vossa redenção!»

Parábola da figueira

| Mt 24, 32-33 | Mc 13, 28-29 | Lc 21, 29-31 |

E disse-lhes uma parábola: «Aprendei, porém, a parábola da figueira:

Vede a figueira, e todas as árvores. Quando o seu ramo já se torna tenro e brotam as folhas, quando já brotam, sabeis por vós mesmos, ao vê-las, que já está próximo o verão.

Assim, também vós, quando virdes tudo isto suceder, sabei que está próximo, às portas, o Reino de Deus».

Cumprimento próximo

| Mt 24, 34-36 | Mc 13, 30-32 | Lc 21, 32-33 |

«Amém, digo-vos que não passará esta geração, até que todas estas coisas aconteçam.

O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão.

Quanto, porém, ao dia e (ou) à hora, ninguém sabe, nem os anjos dos Céus no Céu, nem o Filho, mas só o Pai».

Surpresa como no dilúvio

| Mt 24, 37-41 |

«Pois como nos dias de Noé, assim será a vinda do Filho do Homem.

Porque, assim como estavam {naqueles} dias antes do dilúvio, comendo e bebendo, casando-se e dando-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não souberam até que veio o dilúvio e tomou-os a todos; assim será {também} a vinda do Filho do Homem.

Então, dois [homens] estarão num campo: um é tomado e o outro deixado; duas [mulheres] a moer com a mó: uma é tomada e a outra deixada».

Apelo à vigilância

| Lc 21, 34-36 |

«Olhai, porém, por vós mesmos: para que não se tornem pesados os vossos corações na devassidão, na embriaguez e nos cuidados da vida, e sobrevenha sobre vós, repentinamente, aquele dia; porque virá como um laço, sobre todos os que habitam sobre a face de toda a terra.

Vigiai, porém, em todo o tempo, orando, para que possais fugir de todas estas coisas que acontecerão, e estar de pé diante do Filho do Homem».

O senhor da casa vigilante

| Mt 24, 42-44 | Mc 13, 33-37 |

«Olhai: vigiai, porque não sabeis quando é o tempo; assim como um homem que, ausentando-se para longe, deixando a sua casa e dando autoridade aos seus servos, a cada um o seu trabalho, e ordenou também ao porteiro que vigiasse.

Vigiai, pois; porque não sabeis quando o senhor da casa virá: à tarde, ou à meia-noite, ou ao cantar do galo, ou pela manhã; para que, vindo repentinamente, não vos encontre a dormir.

Vigiai, pois, porque não sabeis em que dia o vosso Senhor virá. Sabei, porém, isto: que se o dono da casa soubesse em que vigília viria o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa.

Por isso também vós estai preparados, porque numa hora em que não julgais, virá o Filho do Homem.

O que vos digo, porém, digo a todos: Vigiai!»

Parábola do feitor fiel

| Mt 24, 45-51 |

«Quem é, pois, o servo fiel e prudente, que o senhor estabeleceu sobre os seus serviçais, para lhes dar o alimento no tempo? Bem-aventurado aquele servo a quem o seu senhor, quando vier, encontrar fazendo assim! Amém, digo-vos que o estabelecerá sobre todos os seus bens.

Mas se outro, o mau servo, disser no seu coração: 'O meu senhor demora', e começar a bater nos seus companheiros, a comer e a beber com os ébrios, virá o senhor daquele servo, num dia em que não o espera, e numa hora que não sabe, e dividi-lo-á e porá a parte dele com os hipócritas. Ali haverá choro e ranger de dentes».

Parábola das dez virgens

| Mt 25, 1-13 |

«Então o Reino dos Céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro do noivo. Cinco delas, porém, eram loucas e cinco prudentes.

As loucas, pois, tomando as suas lâmpadas, não tomaram azeite consigo. As prudentes, porém, receberam azeite nas vasilhas, com as suas lâmpadas. Tardando o noivo, porém, dormitaram todas e dormiram. Mas à meia-noite ouviu-se um grito: 'Eis o noivo: saí ao encontro {dele}!' Então todas aquelas virgens se levantaram e prepararam as suas lâmpadas.

As loucas, porém, disseram às prudentes: 'Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas apagam-se'. Responderam, porém, as prudentes, dizendo: 'Para que não falte a nós e a vós, ide antes aos que o vendem, e comprai para vós'.

Tendo, porém, elas ido comprá-lo, veio o noivo; e as que estavam preparadas entraram com ele para as bodas, e fechou-se a porta.

No fim, porém, vêm também as outras virgens, dizendo: 'Senhor, Senhor, abre-nos!' Mas ele, respondendo, disse: 'Amém, digo-vos: não vos conheço'.

Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora».

Parábola dos talentos

| Mt 25, 14-30 |

«Porque assim como um homem que, partindo para o estrangeiro, chamou os seus servos e entregou-lhes os seus bens: e a um deu cinco talentos, a outro dois, e a outro um, a cada um segundo a sua capacidade; e partiu.

Imediatamente, tendo partido, o que recebera cinco talentos negociou com eles e ganhou outros cinco; do mesmo modo, o que [recebera] dois ganhou outros dois; mas o que recebera um, tendo ido, cavou na terra e escondeu o dinheiro do seu senhor.

Depois de muito tempo, porém, vem o senhor daqueles servos, e faz contas com eles.

E aproximando-se o que recebera cinco talentos, apresentou-lhe outros cinco talentos, dizendo: 'Senhor, entregaste-me cinco talentos; eis outros cinco talentos, que ganhei'. Afirmou-lhe o seu senhor: 'Muito bem, servo bom e fiel! Foste fiel sobre o pouco, sobre muito te constituirei: entra na alegria do teu senhor'.

Aproximando-se {porém} também o que [recebera] dois talentos, disse: 'Senhor, entregaste-me dois talentos; eis outros dois talentos que ganhei'. Afirmou-lhe o seu senhor: 'Muito bem, servo bom e fiel! Foste fiel sobre o pouco, sobre muito te constituirei: entra na alegria do teu senhor''.

Mas, aproximando-se, também, o que recebera um talento disse: 'Senhor, conheço-te, que és um homem duro, ceifando onde não semeaste e recolhendo onde não espalhaste; e, atemorizado, tendo ido, escondi o teu talento na terra. Eis: aqui tens o que é teu'.

Respondendo, porém, o seu senhor disse-lhe: 'Servo mau e preguiçoso, sabias que ceifo onde não semeei, e recolho onde não espalhei! Devias então entregar o meu dinheiro aos banqueiros e, vindo, eu teria recebido o que é meu com juro. Tirai-lhe, pois, o talento e dai ao que tem os dez talentos; porque a todo o que tem, será dado e terá em abundância; mas ao que não tem, até aquilo que tem lhe será tirado. E lançai o servo inútil nas trevas exteriores: ali haverá choro e ranger de dentes».

O Juízo Final

| Mt 25, 31-46 |

«Quando, porém, vier o Filho do Homem na sua glória, e todos os anjos com ele, então sentar-se-á no trono da sua glória. E diante dele serão reunidas todas as nações; e ele separá-los-á uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos; e colocará as ovelhas à sua direita, mas os cabritos à esquerda.

Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: 'Vinde, benditos do meu Pai. Possuí o reino que vos está preparado desde a criação do mundo; porque tive fome e destes-me de comer, tive sede e destes-me de beber, era forasteiro e acolhestes-me, nu e vestistes-me, enfermo e visitastes-me, estava na prisão e viestes até junto de mim...'

Então os justos responder-lhe-ão, dizendo: 'Senhor, quando te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber? Quando, porém, te vimos forasteiro e te acolhemos, ou nu e te vestimos? Quando, porém, te vimos enfermo ou na prisão, e viemos até junto de ti?'

E respondendo, o Rei dir-lhes-á: 'Amém, digo-vos: Todas as vezes que o fizestes a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim o fizestes'.

Então dirá também aos que estiverem à esquerda: 'Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o Diabo e para os seus anjos; porque tive fome e não me destes de comer, tive sede e não me destes de beber, era forasteiro e não me acolhestes, nu e não me vestistes, enfermo e na prisão e não me visitastes...'

Então responderão também estes, dizendo: 'Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou forasteiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não te servimos?'

Então responder-lhes-á, dizendo: 'Amém, digo-vos: Todas as vezes que o não fizestes a um destes mais pequeninos, também a mim não fizestes'.

E irão estes para o castigo eterno, mas os justos para a vida eterna».

Jesus no templo e no Monte das Oliveiras

| Lc 21, 37-38 |

Durante os dias, porém, [Jesus] estava a ensinar no templo, mas nas noites, saindo, morava no monte chamado das Oliveiras.

E todo o povo madrugava junto dele no templo, para o ouvir.

 

 

 

 

 

 

 

  

 

 

 


Índice | 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12
Topo da página
DVBITANDO, AD VERITATEM PARVENIMVS... ALIQVANDO!