Dubitando, ad veritatem parvenimus... aliquando! Duvidando, chegamos à verdade... às vezes!
 
Palácio de Herodes (Pretório de Pilatos), em Jerusalém

Pretório de Pilatos (Local da condenação de Jesus). Praetorium of Pilate. Prétoire.

Planta do Pretório. Praetorium of Pilate. Prétoire Herodian palace. House of Pilate in Jerusalem.

Reconstituição hipotética, segundo os dados de Flávio Josefo, os escassos dados arqueológicos, o desenrolar da paixão de Jesus, os cálculos das medidas e o confronto com outras construções.

Na planta desta reconstituição, os vestígios arqueológicos de época herodiana ou asmonneia estão marcados a castanho.


1- Alçado parcial oriental (muralha do castelo: a: 30 CV).


2- Lugar do estrado do tribunal, diante do castelo. (Cf.: Estando, porém, ele sentado no tribunal, a sua mulher enviou [alguém] até ele, dizendo: «[Não haja] nada entre ti e esse justo, porque muito padeci hoje em sonho por causa dele». | Mt 27, 19 || Pilatos, pois, ouvindo estas palavras, trouxe Jesus para fora e sentou [-se] no tribunal, no lugar chamado Lithóstrotos [= Pavimento], em hebraico, porém, Gabbathá.. | Jo 18, 13 |)

3- «Ágora de cima» (praça do mercado e do tribunal).

4- Castelo — palácio (cerca de 300 m X 60 m).

5- Átrio da flagelação e da coroação de espinhos (?) (Cf.: Então, pois, Pilatos tomou Jesus e flagelou-o. E então os soldados do governador, porém, tomando Jesus, levaram-no para dentro, para o átrio que é o Pretório; e, no Pretório, convocam (reuniram) contra ele toda a escolta. E despindo-o, vestem-no de púrpura: envolveram-no com um manto púrpura — envolveram-no com uma capa escarlate. E tecendo uma coroa de espinhos, puseram-na sobre a cabeça dele (põem-lhe, tendo tecido, uma coroa de espinhos) e uma cana na [mão] direita dele. E vinham até ele e começaram a saudá-lo: ajoelhando-se diante dele, escarneciam-no e diziam, dizendo: «Ave [= Alegra-te], rei dos Judeus!» E cuspindo nele, tomaram a cana e batiam na cabeça dele com a cana, e davam-lhe bofetadas; e cuspiam-no e, dobrando os joelhos, adoravam-no. | Mt 27, 27-30 | Mc 15, 16-19 | Jo 19, 1-3 |)

6- 2 grandes triclínios (Agripeion e Cesareion).

7- «Muitos peristilos (ajardinados) em circuito, com colunas diferentes para cada um».

8- Torre Fasael.

9- Torre Híppicos.

10- Torre Mariamme.

11- Torres ornamentais a intervalos regulares.

12- Saída para o Calvário (?).  


Como o Heródion, também este palácio de Herodes, em Jerusalém, seria um castelo de muralhas duplas paralelas, ligadas por muitos compartimentos e providas de torres salientes para o exterior. Ocupava uma extensão de cerca de 300 m por 60 m, formando um retângulo no sentido N - S. A parte NO, onde se encontravam as 3 torres que Josefo descreve, não era angular, mas arredondada. No centro desta cinta de muralhas com compartimentos, situar-se-iam vários peristilos ajardinados, ligados uns aos outros e aos compartimentos das muralhas. Nesse espaço interior situar-se-iam, talvez um de cada lado da entrada virada a oriente, os dois triclínios, Agripeion e Cesareion, de que Josefo fala, que seriam, certamente, duas grandes salas com tetos suportados por colunas, como a do palácio de inverno em Jericó ou como a do Heródion. Tendo em conta a altura de 30 CV da muralha do castelo, os compartimentos em torno, entre as muralhas duplas, estariam divididos em 3 pisos (de 10 CV de altura cada um) ou 2 pisos (o piso inferior podia ser mais alto). Os tetos eram planos, de madeira de cedro, e trabalhados. As paredes estariam revestidas com mármores de diversas cores, ou pintadas em diversas formas geométricas, como noutras construções herodianas. Os peristilos teriam altura equivalente à do piso inferior (de 10 a 15 CV). Os dois triclínios seriam mais altos que os peristilos, sobre os quais teriam as janelas dos lados. A porta oriental daria para o centro da ágora da «Cidade Alta», a praça empedrada conhecida como Gabbathá ou Lithóstrotos. Esta porta seria em arco, com torres de um lado e do outro, ao longo da muralha. No interior do palácio, essa mesma porta daria acesso imediato a um átrio, no qual devem ser localizados os diálogos entre Jesus e Pilatos, a flagelação (numa das colunas) e a coroação de espinhos.

Imediatamente à frente do palácio de Herodes, ficaria, pois, a ágora (o fórum) da «Cidade Alta», uma praça de mercado com colunatas em torno (menos, neste caso, do lado do palácio). Os pórticos dos mercados consistiam em lojas sucessivas com colunatas ligadas à frente, em torno de uma praça. Era, pois, à frente do palácio, certamente tendo uma porta entre torres voltada para a praça, que se realizavam os julgamentos, com a multidão reunida nessa praça.

Topo da página
DVBITANDO, AD VERITATEM PARVENIMVS... ALIQVANDO!