Dubitando, ad veritatem parvenimus... aliquando! Duvidando, chegamos à verdade... às vezes!
 
Quatro estratégias de autopreservação da fé esquerdista

Atualmente, o esquerdismo parece ser a religião maioritária no mundo.

Para preservarem a sua fé, contra as evidências contrárias, os esquerdistas usam, essencialmente, quatro estratégias de propaganda:

1. Começam por ignorar a realidade e tudo o que na História não lhes convém. Em vez disso, insistem em denunciar defeitos alheios, dividindo a sociedade em grupos antagónicos — a «luta de classes» dos «oprimidos» contra os «opressores»: empregados contra patrões, filhos contra pais, alunos contra professores, mulheres contra homens, homossexuais contra heterossexuais, etc. Apontam defeitos aos outros para desviar as atenções e dividem para reinar.

2. Confrontados com a realidade que não lhes convém, negam-na e reescrevem a História à maneira deles. Ex.: Tudo o que se diz de mal sobre «paraísos» como a URSS, a China, Cuba, a Venezuela, …, é mentira; o Holodomor (morte pela fome de cerca de 7 milhões de ucranianos num ano) é uma invenção dos nazis; Lenine foi a pessoa mais amorosa que apareceu no mundo; Che Guevara e Nelson Mandela eram grandes santos; …; etc.

3. Quando não conseguem negar as evidências, passam a afirmar que as ideias deles são muito certas e científicas, mas são deturpadas e passam a ser de «direita», quando são concretizadas. Ex.: Marx foi mal interpretado, Lenine era de direita, a URSS era de direita, a Coreia do Norte é de direita, Hitler e Mussolini eram de direita, os partidos de esquerda passam a ser de direita quando chegam ao poder, etc.

4. Quando nem a terceira estratégia conseguem usar, perante quem se dá ao trabalho de estudar seriamente as ideias e as práticas deles, passam a dizer que todo o mal que lhes é apontado é por uma boa causa, pelo progresso, por um mundo melhor e mais justo, pela justiça social, pelo triunfo do bem, …; que os maus são os «capitalistas», os «fascistas», os «neoliberais», os «ultraneoliberais», a «plutocracia», …; etc.

É assim que as crenças são muito difíceis de destruir, contra a verdade mais elementar, e se promove a conflituosidade social.

Sempre que alguém se apresenta como portador de um modelo de sociedade perfeita, é um candidato a tirano. O que ele pretende é impor as ideias dele, isto é, impor uma tirania.

Ainda que este mundo seja um «vale de lágrimas», «para pior, já basta assim»!

Topo da página
DVBITANDO, AD VERITATEM PARVENIMVS... ALIQVANDO!